São Paulo, SP 8/12/2020 – Apesar de acometer indivíduos de todas as idades, gêneros e etnias, crianças em idade escolar são o principal alvo dos piolhos.

As crianças costumam ser mais acometidas por piolhos e lêndeas devido ao fato de que a transmissão é realizada através do contato direto entre cabeças.

Os piolhos são pequenos insetos que se alimentam de sangue de adultos e crianças de todas as idades, se reproduzindo rapidamente. Segundo matéria divulgada pelo portal FioCruz, calcula-se que no ciclo de vida de um piolho, que costuma ser de cerca de um mês, a fêmea coloque de 150 a 300 ovos, denominados lêndeas. Em conjunto, piolhos e lêndeas são os principais responsáveis pela pediculose, termo médico designado à infestações por seres parasitários que se reproduzem na superfície de pelos e peles.

Apesar de acometer indivíduos de todas as idades, gêneros e etnias, crianças em idade escolar são o principal alvo da doença. Desse modo, pais e corpo docente devem ficar atentos aos sintomas da doença e adotar medidas preventivas para impedir novos quadros da doença e garantir o bem-estar de todos.

Por que crianças são as mais afetadas pela pediculose?

A principal razão de quadros de piolhos serem mais frequentes em crianças em idade escolar deve-se ao fato de que a transmissão é realizada através do contato direto entre cabeças. Durante a fase escolar, é comum crianças estarem concentradas em um mesmo ambiente, além de dividirem arcos, bonés e demais acessórios.

Além disso, é muito comum essas crianças participarem de festas de aniversários e realizarem atividades extracurriculares na própria escola ou em clubes, também considerados locais de fácil transmissão de piolhos. Como esse tipo de contato entre adultos é menor, os insetos não se propagam com tanta facilidade.

Outra razão para que os piolhos ataquem principalmente as crianças, deve-se ao fato dos pequenos serem menos sensíveis às picadas do inseto e não perceberem que estão sendo picados, facilitando a infestação do parasita e retardando o tratamento.

Crianças com piolhos: o que fazer?

É muito importante que familiares e professores estejam cientes sobre suspeitas ou confirmações de pediculose nas crianças.

Caso seja observada coceira intensa no couro cabeludo, vermelhidão na cabeça, nuca ou pescoço e pontinhos brancos na cabeça das crianças semelhantes à caspa, pais e professores devem ser informados o quanto antes.

Dessa forma, estabelecer uma comunicação fluida entre pais e corpo docente é fundamental para que pais de outras crianças e professores adotem medidas preventivas e estejam alertas a novas infestações.

Dentre as medidas preventivas é possível citar:

  1. Higienização constante dos fios e utilização diária de pente fino;
  2. Prender os cabelos em caso de fios longos;
  3. Higienização de roupa de cama e objetos pessoais com álcool ou água fervente;
  4. Higienização de pelúcias
  5. Inspeção diária na cabeça das crianças para possível diagnóstico da doença.

Outras medidas que devem ser realizadas são avisar em locais que a criança costuma frequentar e procurar ajuda profissional o mais rápido possível. Quanto antes a doença for diagnosticada, mais fácil e rápido é o tratamento.

Ajuda profissional da PiolhoLess resolve casos de pediculose em crianças e adultos

Para resolver o problema dos piolhos e lêndeas de forma profissional, pais, mães e cuidadores podem contar com os serviços da PiolhoLess. Pioneira no mercado brasileiro de tratamento para piolhos e lêndeas, o centro de tratamento conta com uma proposta inovadora e diferenciada: acabar com piolhos e lêndeas, confortavelmente, em apenas duas sessões.

Através de um tratamento rápido, profissional e seguro, a PiolhoLess utiliza uma tecnologia de aspiração e, após essa etapa, é passado um pente fino de aço nos fios de cabelo dos clientes, com produtos exclusivos e de origem natural, sem adição produtos tóxicos ou químicos. O método PiolhoLess possui grande aceitação entre pais, escolas e pediatras, podendo ser utilizado em crianças das mais variadas faixas etárias.

Focada na saúde e no bem estar de toda a família, e respeitando as normas de segurança e higiene, durante a pandemia do COVID-19 os atendimentos presenciais estão sendo realizados mediante agendamento prévio nas unidades de Vila Olímpia ou Pinheiros, ambas localizadas na cidade de São Paulo.

Clientes de todo o Brasil que moram fora de São Paulo ou que tiverem interesse em aliviar os sintomas da pediculose em casa podem adquirir o Kit PioLess e o pente fino para a remoção de piolhos e lêndeas no e-commerce da empresa. Estes produtos são um complemento ao tratamento oferecido nas unidades da PiolhoLess em São Paulo.

O Kit PioLess tem valor acessível e conta com shampoo, condicionador e spray desembaraçante que auxiliam a repelir piolhos e lêndeas sem agredir os fios e o couro cabeludo.

Complementando o Kit PioLess, há também o pente fino, ferramenta essencial para a remoção dos parasitas dos cabelos. O uso diário do pente fino é essencial para remover piolhos. Para utilizar o pente fino basta aplicar os produtos do Kit PioLess, dividir os cabelos em partes e utilizar o pente da base até o final dos fios.

Os serviços PiolhoLess e produtos PioLess são de origem natural. Por não serem medicamentos, são dispensados de registro na Anvisa.

Para auxiliar educadores a lidar com problemas de pediculose nas escolas, a PiolhoLess conta ainda com a campanha preventiva “De Olho no Piolho”, onde uma equipe de profissionais visita instituições da cidade de São Paulo, como escolas e clubes.

As visitas, suspensas temporariamente durante a pandemia, são realizadas mediante agendamento e consistem em palestras lúdicas para crianças, com a contação da história “Piolho não escolhe cabeça”, e palestras informativas sobre pediculose para professores e corpo docente.

Além disso, são realizadas vistorias na cabeça de crianças e adultos para diagnosticar possíveis casos de pediculose. Cada inspeção, realizadas com horário marcado, dura cerca de 3 minutos e são utilizadas lente de aumento, luvas e palitos descartáveis.

Website: http://piolholess.com.br/

Deixe o seu comentário