Porto Alegre 11/1/2022 – Um exemplo desta mobilização vem do SEPRORGS, entidade representativa dos empresários de TI no Rio Grande do Sul, que se mudou para o Insituto Caldeira.

De acordo com os dados da edição 2021 do Ranking 100 Open Startups, publicação anual que, desde 2016, monitora, mensura e classifica onde estão as empresas com mais processos de inovação no Brasil, Porto Alegre ocupa o sexto lugar entre as 3 mil localidades estudadas.

De acordo com os dados da edição 2021 do Ranking 100 Open Startups, publicação anual que, desde 2016, monitora, mensura e classifica onde estão as empresas com mais processos de inovação no Brasil, Porto Alegre ocupa o sexto lugar entre as 3 mil localidades estudadas.

Este levantamento é um indicativo da recente ascensão da capital gaúcha entre os expoentes nacionais da transformação digital, um marco que é bastante comemorado pelas entidades do setor de TI, que passaram 2020 e 2021 apoiando as empresas nos desafios trazidos pela pandemia, assim como se aproximou de importantes iniciativas de fomento à novos negócios inovadores.

Um exemplo desta mobilização vem do SEPRORGS, entidade representativa dos empresários de TI no Rio Grande do Sul, que se mudou para o Instituto Caldeira, um dos mais badalados hubs de inovação em Porto Alegre. Com essa mudança o plano foi se inserir em um ecossistema pulsante de entidades, empresas, instituições de ensino e pesquisa, entre outras organizações focadas na alavancagem do processo de fomento à economia digital.

Conforme o presidente do SEPRORGS, Rafael Krug, o objetivo é se embasar no ecossistema do Caldeira para dar ainda mais impulso às ações de incentivo e representatividade da entidade para as empresas de TI.

“Além de reunir iniciativas e parceiros ligados à nova economia, nesta nova sede também teremos ainda mais força para trabalhar na conexão de empresas, entidades, instituições de ensino e pesquisa, entre outras organizações, com a transformação digital e o fomento ao ecossistema econômico, colaborando para fazer de Porto Alegre uma verdadeira smart city e de nosso Estado um polo reconhecido em tecnologia da informação”, comenta Krug.

Já o vice-presidente do SEPRORGS, Luís Henrique Petkovicz, ressalta que o espaço também vai colaborar para que as pautas sejam aprimoradas antes de serem levadas a Brasília. “Estamos buscando, além de networking, utilizar o Caldeira como um laboratório de informações, fomentando nossas negociações, como a convenção coletiva de trabalho, por exemplo”, afirma o VP.

O gerente executivo do Instituto, Pedro Valério, considera a chegada do SEPRORGS como uma oportunidade de compartilhar agendas e ideias, visto que ambos desejam mais e melhores conexões.

“Acreditamos muito nesse propósito de gerar transformações concretas e positivas. Dessa maneira, esse espaço com mais de 22 metros quadrados de inovação recebe o SEPRORGS com muita satisfação. De um lado, uma entidade representando empresas ligadas à tecnologia. Do outro, o Caldeira – um catalisador dos projetos de inovação do estado”, ressalta Valério.

Para o secretário de Inovação, Ciência e Tecnologia de Porto Alegre, Luís Lamb, a cidade tem feito avanços importantes nos últimos anos. “Notamos maior conscientização sobre a necessidade de evolução da matriz econômica, mais alinhada à economia contemporânea, de base de conhecimento e digital. Entre lideranças, percebe-se maior engajamento na transformação dos negócios, o que passa por pessoas qualificadas e por uma mudança cultural, que já percebemos na sociedade”, revela.

Parte importante desse processo de transformação digital também tem respaldo em uma iniciativa que vem sendo levada a cabo pelo vereador Felipe Camozzato, responsável pela proposta do projeto de lei nº 302, que trata do sandbox regulatório – conjunto de condições especiais simplificadas para que as pessoas jurídicas possam desenvolver modelos de negócios inovadores e testar técnicas e tecnologias experimentais.

“O sandbox regulatório permitirá ainda mais avanços em inovações e disrupção positiva, ele está em início de tramitação, na procuradoria da Câmara. Acredito que podemos votá-lo até o fim do ano”, conta o parlamentar.

Para ele, Porto Alegre avança rapidamente no quesito inovação. “Somos a capital brasileira com a legislação mais avançada para recepção da tecnologia 5G, e recentemente foi lançado o programa Creative, que reduziu o ISS para a alíquota mínima para inovação – que indiretamente contribui para nossa digitalização”, revela Camozzatto.

Já o vice-prefeito, Ricardo Gomes, revela que desde o início do mandato, o objetivo foi colocar Porto Alegre no mapa da inovação e tecnologia. “Neste sentido, aprovamos o Creative, programa que diminui imposto para empresas inovadoras, para incentivar o empreendedorismo, atrair investimentos e reter talentos. Avalio que Porto Alegre tem um dos melhores, se não for o melhor, ecossistema de inovação do Brasil. Vamos trabalhar junto com empresas, startups, academia, sociedade e investidores para transformar a cidade na maior referência da América Latina em inovação”, conclui.

“O SEPRORGS atua nas mais diversas frentes que alavancam a inovação, ajudando a criar um cenário de maior competitividade, que seja mais propício ao crescimento de todas”, destaca Rafael Krug. “Somos empresários trabalhando por e para empresários. Fazemos um trabalho voluntário, dedicado a expandir os horizontes, os negócios, da TI gaúcha. E isso tem tudo a ver com fomentar a inovação, um propósito que está em nosso DNA e que, com certeza, caminha em conjunto com a evolução de nossa Capital dentro deste espectro”, finaliza Luís Henrique Petckovicz.

Deixe o seu comentário