São José dos Campos, SP 9/12/2021 – Livro tem lançamento simultâneo na Bienal do Livro do Rio e na Feira do Polo Digital de Manaus.

A obra da jornalista e historiadora Cristina Monte retrata as múltiplas e complexas facetas que envolvem a questão da Amazônia e reúne uma centena de de entrevistas e depoimentos.

A preservação da Amazônia cada vez ganha mais destaque no mundo todo. Entretanto, ser tema de debate internacional não garante que a Amazônia seja, de fato, compreendida, principalmente para quem não conhece de perto essa região do planeta.

Reunir em uma mesma obra as diversas facetas que compõem a questão da Amazônia foi a motivação da jornalista e historiadora Cristina Monte, que vive em Manaus desde 2005, para escrever e publicar o livro A Amazônia Sustentável e o ecossistema empreendedor.

A obra é resultado de um extenso trabalho da autora que entrevistou, recolheu relatos, depoimentos e análises de uma centena de pessoas. Seu grande diferencial é dar voz e reunir a contribuição desses atores que estão intrinsecamente ligados aos problemas e soluções que permeiam a questão do desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Alguns dos mais prestigiados especialistas no tema Amazônia contribuíram com suas análises contundentes como o climatologista Carlos Nobre, o pesquisador norte-americano, que vive há anos na Amazônia, Philip Martin Fearnside, o historiador Júlio César Schweinckardt, entre dezenas de outros expoentes acadêmicos. 

Um dos diferenciais do livro é a presença feminina, pois entre os 100 participantes, 39 são mulheres. Há representatividade das mulheres em todos os segmentos abordados, destacando o trabalho de pesquisadoras, cientistas, gestoras de órgãos e instituições público-privadas, professoras, empreendedoras, lideranças comunitárias.

“Longe de esgotar o assunto nessas páginas, a proposta do livro, além de divulgar o ecossistema empreendedor é provocar o diálogo, despertar a opinião pública e poder ser um viés na discussão que envolve o futuro da Amazônia”, comenta Cristina Monte. 

Articulação e trabalho em rede é o futuro

É quase consenso entre os participantes da obra que o futuro da Amazônia exige a convergência do objetivo comum que é a preservação da floresta alinhada à sustentabilidade para garantir qualidade de vida para a população local.

As parcerias e cooperações interinstitucionais e multisetoriais são essenciais para assegurar os investimentos e a continuidade da manutenção de programas e projetos de pesquisa científica e tecnológica, a formação de recursos humanos e o empreendedorismo inovador e sustentável.

Um ecossistema de inovação não surge e também não prospera sem um alicerce educacional forte. Para isso, há diversas iniciativas voltadas para a integração entre ensino e tecnologia. Importantes passos já começaram para formação dos futuros agentes locais. “É a soma de esforços de quem vive, pesquisa, trabalha, conhece e reconhece os imensos desafios, que podem construir soluções que respeitem a singularidade da Amazônia e dos seus habitantes”, explica Cristina Monte.  

As contribuições da chamada nova economia para o futuro da Amazônia

“A Amazônia é o coração biológico do planeta Terra”. A frase é do climatologista Carlos Nobre, que é um dos entrevistados do livro.

 Dois temas recorrentes no livro são a biotecnologia e a bioeconomia. O patrimônio genético, os recursos vegetais e bioativos ainda pouco conhecidos podem se revelar insumos valiosos para as indústrias química, farmacêutica, cosmética e alimentícia. Do manejo integrado e sustentável da floresta resultam óleos, extratos, fibras, sementes, ativos microbiológicos que são base para medicamentos, cosméticos, bioinseticidas, biomateriais, corantes naturais, aromatizantes, entre muitos outros.

Há diversas linhas de pesquisa, projetos e ações nessa direção que podem agregar ainda mais valor para conservar a floresta em pé. Um exemplo considerado bem-sucedido é a empresa Natura que atua há décadas na Amazônia. Iguatemi Melo Costa, gerente científico da empresa, destaca: “o ponto mais relevante é debater a Amazônia com a Amazônia. A voz dos atores regionais é indispensável para a construção de um futuro benéfico para todos nós”.

De acordo com o professor da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Augusto César Barreto Rocha, para avançar no tema da biotecnologia é preciso definir como usar os recursos da floresta: simplesmente como fornecedora de matéria-prima ou  utilizar sua riqueza invisível para desenvolver processos e produtos industriais diferenciados de alto valor agregado.

O ecoturismo é outro caminho apontado em depoimentos no livro como um dos mais viáveis para aliar preservação, economia sustentável, conhecimento e cultura dos povos locais.

Os entrevistados apontam também os problemas a serem superados e um dos maiores gargalos é a falta de infraestrutura para o turismo verde amazônico. Um exemplo é o de Roberto Garrido, membro de uma família que atuou por gerações na extração de madeira. Após compreender que o valor da floresta está em mantê-la em pé, mudou de ramo, migrando para o ecoturismo.

A obra e sua autora

O livro pode ser encontrado em uma edição especial e limitada de lançamento em inglês e português e outra somente em português com 216 páginas. Cases e informações adicionais estão disponíveis na plataforma Amazônia Empreendedora.

O lançamento acontece em dois eventos simultâneos. Na 20ª edição da Bienal do Livro, que acontece no Rio de Janeiro de 03 a 12 de dezembro, no pavilhão de exposições do Riocentro. Também terá um lançamento regional da na 3ª edição da Feira do Polo Digital de Manaus, que acontece entre os dias 9 e 11 de dezembro.

A autora

A relação da jornalista Cristina Monte, que é paulistana, com o “universo” amazônico começou em 1998 quando ela morou em Manaus pela primeira vez. Mais de dois anos depois, ao retornar a São Paulo sentia que já não era mesma, tinha sido transformada pela força daquele lugar. Em 2005 retornou para a capital amazonense de onde nunca mais saiu.

Como uma profissional que sempre esteve envolvida com os temas do desenvolvimento tecnológico e empreendedorismo na Amazônia, Cristina se envolveu na organização do evento Feira do Polo Digital. Da edição segunda edição, em 2019, veio a inspiração para a criação do livro.

Com a pandemia, no começo de 2020, Cristina mergulhou na missão de organizar todo o material coletado e transformá-lo em um livro que reunisse uma centena de entrevistas, depoimentos, além de dezenas de análises, pesquisas e dados.

Website: https://amazoniaempreendedora.com.br

Deixe o seu comentário