5/10/2021 –

Além de reduzir a emissão de poluentes e serem mais silenciosos, as viaturas apresentam menor custo de manutenção

O processo de urbanização lançou reflexões em autoridades mundiais sobre a necessidade de ações contra as mudanças climáticas. No Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas, realizado em agosto de 2021, muitos países debateram estratégias a fim de reduzir emissões de gases poluentes do efeito estufa e encorajar o investimento em energias renováveis.

Contudo, essas discussões recaem sobre os transportes à combustão, que, segundo a OECD (Organization for Economic Co-operation and Development), são os responsáveis por um quarto das emissões globais de carbono e contribuem com aproximadamente 50% da poluição nas áreas urbanas (OECD, 2018).

A OECD afirma ainda que um dos principais desafios atuais é incentivar políticas de transporte público e infraestrutura que favoreçam a sustentabilidade, com o propósito de alcançar as metas climáticas constantes do Acordo de Paris e da Agenda 2030.

Neste cenário, no Brasil, algumas cidades, como São José dos Campos e São Paulo, já contam com incentivos ao uso de veículos elétricos e híbridos no serviço público.

Em São José dos Campos, atualmente, a Guarda Municipal da cidade utiliza 30 automóveis elétricos fornecidos pela empresa multinacional BYD, que possui projetos semelhantes no fornecimento de frotas elétricas para a área de segurança pública na China e na Europa.

A frota fornecida é composta pelos modelos elétricos, BYD e5 com autonomia de até 300 km e o BYD e6 com até 400 km. Esses veículos utilizam a eletricidade armazenada em baterias compostas de fosfato de ferro-lítio e não emitem poluentes. Segundo a prefeitura da cidade, em um ano de uso, os veículos deixam de emitir 400 toneladas de CO2.

Outro projeto similar foi implantado em São Paulo pelo Governo do estado no início de setembro. A Polícia Militar testará três viaturas elétricas em um período de 90 dias. Um dos veículos elétricos é o modelo BYD e5, que está no CPA/M-5 (Comando de Policiamento de Área Metropolitana), na zona oeste da Capital, e será utilizado no programa de ronda escolar e atendimento de chamadas pelo 190 na área do 23º BPM/M (Batalhão de Polícia Militar Metropolitano). A localidade foi definida por concentrar o maior número de pontos de recarga de carros elétricos na cidade.

Segundo Adalberto Maluf, Diretor de Marketing e Sustentabilidade da BYD, “As viaturas elétricas garantem mais disponibilidade nas operações devido à sua baixa manutenção e por sua capacidade de percorrer longos percursos com uma única carga, além de não emitirem ruídos e gases poluentes, sendo uma solução sustentável para a mobilidade urbana”.  

Website: http://www.byd.com.br

Deixe o seu comentário