Curitiba, PR 31/8/2021 – Sem movimentar, os músculos ficam fracos e não há uma contração adequada da panturrilha para o sangue voltar para a perna

Praticar atividades físicas e consulta preventiva com o cirurgião vascular podem prevenir e diminuir os riscos de a pessoa ter problemas mais graves

As veias são vasos que garantem o retorno do sangue dos tecidos periféricos para o coração. Diferenciam-se das artérias por apresentarem paredes mais finas e válvulas. Já as varizes são veias tortuosas e dilatadas que podem ser vistas em várias partes do corpo, explica a Dra. Helena Vicente de Castro Pereira de Araújo, cirurgiã vascular e especialista em ecodoppler e Laser Vascular do Hospital VITA.

A médica conta que existem dois padrões de pacientes, um deles são pessoas que estão com Covid-19. Esses indivíduos têm maior chance de ter trombose, tanto venosa quanto arterial; embolia pulmonar e arterite. O outro tipo de paciente são pessoas que possuem predisposição a doenças vasculares, seja devido a comorbidades, idade, portadores de diabetes, uso de anticoncepcional, sedentários e tabagistas. “O problema tem se agravado porque nesse momento de pandemia, por medo de contrair o novo coronavírus, as pessoas evitam agendar consulta médica e com isso, sem acompanhamento, os problemas vasculares aumentam”, grifa.

A trombose ocorre quando há formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias grandes das pernas e das coxas. Esse coágulo bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região. O problema maior é quando um coágulo se desprende e se movimenta na corrente sanguínea, em um processo chamado de embolia – quando as artérias pulmonares ficam bloqueadas por um coágulo sanguíneo.

Na maioria das vezes, a embolia pulmonar é causada por coágulos de sangue originários das pernas ou, em casos raros, de outras partes do corpo (trombose venosa profunda). Os sintomas incluem falta de ar, dor no peito e tosse. “Um tratamento imediato para romper o coágulo reduz significativamente o risco de morte. Isso pode ser feito com anticoagulantes e medicamentos ou procedimentos. O uso de meias de compressão e atividades físicas pode ajudar a prevenir a formação de coágulos, aponta a Dra. Helena.

Já a arterite é a inflamação das paredes das artérias, geralmente como resultado de uma infecção ou resposta autoimune. A especialista alerta que se não tratado, o problema pode levar à ocorrência de acidente vascular cerebral (AVC) e até a amputação de membros.

Outro ponto que a cirurgião vascular salienta é a falta de atividade física, que faz com que a bomba da panturrilha fique sem funcionar adequadamente, podendo causar dor na perna, flebite (inflamação de uma veia) e levando a complicações caso não receba atendimento médico. “A panturrilha, popularmente chamada de batata da perna, tem função importante, é dita como o coração periférico do corpo”, destaca a especialista.

Segundo a médica, nesse momento de pandemia, em decorrência das restrições e com o aumento do home office, pessoas mais jovens são acometidas por problemas vasculares causados pelo sedentarismo. “A falta de exercícios está levando indivíduos mais novos a terem sintomas e aumento de chances de desenvolverem trombose porque a panturrilha está atrofiada. “Sem movimentar, os músculos ficam fracos e não há uma contração adequada da panturrilha para o sangue voltar para a perna”, ressalta.

Tratamento

A Dra. Helena explica que a cirurgia de varizes evoluiu muito nos últimos 10 anos. “Antigamente era impossível tratar as varizes de pessoas acima dos 70 anos ou com contraindicações cardíacas, por exemplo. Com as novas técnicas, como a espuma e o laser, o paciente consegue fazer o tratamento no consultório, sem anestesia e sem repouso”, evidencia. A médica explica, ainda, que quando as varizes de pessoas mais jovens são tratadas com endolaser, o paciente permanece poucas horas no hospital, tendo alta no mesmo dia e com repouso mínimo. “Assim, o tratamento vascular consegue evitar muitas complicações como flebites, manchas, alergias nas pernas (eczema) e trombose. Além disso, a consulta preventiva com o cirurgião vascular pode prevenir e diminuir os riscos da pessoa ter AVC e problemas arteriais”, enfatiza a especialista.

Prevenção

Atividade física regular;
Não fumar;
Alimentação saudável;
Evitar o sobrepeso;
Controlar os níveis de colesterol.

Website: http://cscom.net.br

Deixe o seu comentário