São Paulo, SP 25/8/2021 – A qualidade de alguns alimentos é diretamente influenciada pelo nível de umidade, sendo que este determina a velocidade de deterioração do produto.

A qualidade dos alimentos é essencial para a entrega de um bom produto, por isso, Maike explica os principais problemas da alta umidade em laticínios, especialmente nos queijos e nos doces de leite, e suas consequências para os produtores.

Laticínios estão entre os principais produtos à mesa do brasileiro. Desta forma, é importante que estes produtos mantenham a sua integridade para que possam oferecer saúde e bem-estar. O controle sobre a umidade em laticínios é de fundamental importância nessa cadeia alimentar.

A umidade é um dos maiores inimigos da produção de laticínios. Em derivados lácteos, como o leite em pó, a umidade pode provocar o empedramento, que pode ser definido como aglomerados duros com diferentes tamanhos durante a produção, transporte e estocagem.

Garantir a qualidade e segurança para o consumidor é importante em todas as fases. A grande preocupação deve recair sobre a contaminação por microrganismos. O controle sobre a umidade contribui para diminuir as possibilidades de contaminação, responsáveis pela deterioração em produtos lácteos.

Em trabalhos realizados, Maike Taís Maziero Montanhini mostra a importância do controle sobre a umidade no que se refere a laticínios. A profissional tem doutorado em Tecnologia de Alimentos.
Segundo ela, “a qualidade de alguns alimentos é diretamente influenciada pelo nível de umidade, sendo que este determina a velocidade de deterioração do produto”. De uma forma geral, os alimentos são mais bem conservados em ambientes secos e ao abrigo de luz direta.

Alguns dos problemas causados pela falta de controle de umidade que acometem a indústria de laticínios são os fungos indesejáveis no alimento, alterações na aparência, gosto e maturação dos queijos, problemas em embalagens e bolores nos doces de leite.

Cada tipo de queijo tem uma umidade ideal para maturação. Quando o local da maturação é muito seco, a casca do queijo pode apresentar rachaduras. Queijos duros e semiduros devem ser maturados em ambientes com umidade específica, para favorecer a formação da casca e evitar o aparecimento de mofos.

Importante notar que alguns tipos de fungos podem produzir micotoxinas, componentes carcinogênicos que podem acumular no organismo e causar doenças crônicas.

Nestes casos, a manutenção da umidade relativa do ar dentro dos limites estabelecidos para cada tipo de queijo é uma das principais estratégias para evitar esse problema.

Outro queijo que denuncia o excesso de umidade, principalmente no Brasil, onde é muito apreciado, é o parmesão. Quando isso ocorre, ele fica repleto de manchas rosas.

Há que se considerar também o efeito condensação que produz o gotejamento e pode atacar, dentre outros, o doce de leite. Esses pingos podem cair nos tachos onde são preparados os doces de leite, contaminando-os desta forma.

Também são passíveis do efeito da umidade as embalagens dos produtos. Principalmente quando elaboradas com papel podem facilmente adquirir bolor e mofo.

Para evitar problemas com a umidade, as empresas produtoras de laticínios podem contar com o trabalho de desumidificadores que farão o devido controle. Controlando a umidade, o desumidificador impede a proliferação de microrganismos como ácaros, bactérias e fungos que provocam o surgimento do bolor e do mofo.

Para mais informações:
https://www.thermomatic.com.br/aplicacoes-para-industria/desumidificador-para-industria-de-laticinios.html

Website: http://www.thermomatic.com.br/

Deixe o seu comentário