1/10/2021 –

O user experience ganha importância no mercado, principalmente, no cenário pós-pandemia da Covid-19

Segundo um estudo realizado pela Adobe, as empresas que dão prioridade à experiência das pessoas apresentam crescimento de receita mais rápido (1,4x), maiores taxas de satisfação (1,6x) e de retenção (1,7x), se comparadas às que não focam as experiências com grandes proporções. Além disso, um outro estudo da Forrester mostra que cada US$ 1 investido em UX leva a um retorno de U$ 100. E, por fim, um estudo feito pela Design Management Institute (DMI) revela que, nos últimos 10 anos, empresas que fizeram investimento em design garantiram uma vantagem de 228% sobre outras marcas.

Todos os estudos indicam que as pessoas não querem apenas produtos ou serviços, mas, sim, experiências, e o investimento nessa estratégia pode ser bastante benéfico para as empresas. A experiência do usuário, que vem ganhando lugar de destaque nas corporações nos últimos anos, vem recebendo ainda mais atenção em um cenário pós-pandemia, principalmente pelo retorno financeiro positivo para as próprias corporações, podendo, inclusive, determinar o retorno do consumidor. Um estudo da Walker corrobora essa ideia. Realizada ao final de 2020, a pesquisa mostrou que a experiência do cliente iria ultrapassar o valor e o produto, tornando-se o principal diferencial de uma corporação.

Profissões ganham força

Essa preocupação sobre o que é conhecido por user experience está mudando não só a relação empresa-consumidor final, mas também está fortalecendo profissões. A Forbes também divulgou, em julho deste ano, que empresas do setor financeiro possuem quase 900 vagas abertas. Diversas delas para UX/UI Designers.

Esses profissionais, preocupados com a experiência do usuário, de acordo com matéria do Estadão de junho deste ano, “prometem mudar o mercado on-line”. Eles são aqueles focados em trabalhar, exatamente, toda a jornada do usuário pensando em pontos importantes, como a arquitetura da informação e ferramentas que influenciam a experiência do cliente.

Criação de oportunidades de salário e estudo

As preocupações em relação ao user experience estão aquecendo não só a dinâmica do mercado, mas também os salários e os estudos. Em matéria recente da IstoÉ Dinheiro, foi mostrada uma pesquisa realizada pela The Bridge, feita entre janeiro de 2020 e janeiro de 2021, com mais de 500 profissionais, traçando um panorama sobre vagas, salários e o mercado de tecnologia. Na pesquisa, foi apontado que os salários de especialistas em Design UX, UI, Product Designer e UX Research variam de R$ 7 mil a R$ 15 mil. Além disso, o Banco Inter, em junho de 2021, ofereceu 3 mil bolsas de estudos gratuitas para Designers UX e UI.

As startups também já estão pensando na necessidade de investimento na experiência do usuário. Exemplo disso é a StarHire 365, startup do Grupo Educacional SEDA, que abriu inscrições para programas de bolsas para alunos brasileiros de TI estudarem inglês na Irlanda. Os interessados devem, antes, concluir um curso de hard skill, incluindo Design UX/U. 

Empresas já pensam estrategicamente

As grandes empresas já estão pensando em como investir na experiência do usuário dentro do seu dia a dia. O Grupo Boticário, desde 2017, vem investindo na conquista de mercado digital e também na redução do prazo de entrega e na melhora das vendas do tipo multicanal realizadas pela empresa. O Grupo Boticário mostra um crescimento de 200% no faturamento e de 300% em volume em comparação ao primeiro semestre do ano anterior.

Outra empresa que também obteve destaque estratégico em relação à experiência do usuário foi a Pathfind, que investiu na roteirização em UX Design pensada com base nas experiências do cliente, percebendo em que lugar estão suas dores maiores e oferecendo mais soluções.

Website: https://www.pathfind.com.br/

Deixe o seu comentário