São Paulo 24/8/2021 –

Em meio a um cenário ainda marcado pelas instabilidades trazidas pela pandemia, o crédito segue como instrumento fundamental para a movimentação da economia. De acordo com pesquisa elaborada pelo Sebrae e pela Fundação Getulio Vargas, quando questionados sobre quais ações deveriam ser prioridade do Governo Federal neste ano, 45% dos pequenos negócios, que respondem pelo maior número de empregos formais gerados no país, apontaram a necessidade da extensão das linhas de crédito.

Na outra ponta, entre as pessoas físicas, a realidade não é diferente. Levantamento da Serasa Experian aponta alta de 26,2% na procura dos consumidores por crédito no primeiro semestre de 2021 na comparação com o mesmo período do ano passado.

Nesse contexto, as fintechs se consolidaram como uma opção para os brasileiros em busca de recursos, principalmente aqueles de segmentos com reduzido histórico de crédito, como os trabalhadores informais e os micro, pequenos e médios empreendedores. De acordo com dados do setor de crédito digital, o segmento triplicou o volume concedido em 2019, na casa dos R$ 3 bilhões, ficando em torno de R$ 9 bilhões em 2020. Para este ano, a estimativa é que o montante possa dobrar.

“São várias as razões que fazem das fintechs uma opção interessante na hora de solicitar crédito. Fundamentalmente, elas saem na frente porque já nasceram em um ambiente virtual, com operações remotas e processos menos burocráticos do que os das instituições tradicionais”, aponta Rafael Pereira, presidente da Associação Brasileira de Crédito Digital (ABCD). “Para além disso, a análise de risco é feita de forma individualizada. Ou seja, as fintechs de crédito olham de maneira diferente para cada perfil de cliente e, graças à sua capilaridade, já se mostraram eficientes para que os recursos cheguem na ponta”, completa Pereira.

Entre as vantagens do crédito digital via fintechs, estão:

1- Análise de risco mais inteligente: graças à combinação de inovação e uso maciço de tecnologia, as fintechs de crédito têm a capacidade de segmentar o risco, analisando cada cliente individualmente. Ou seja, nada é feito pela média. Além de estimar a probabilidade de pagamento, levam em conta uma série de fatores que podem impactar a capacidade de pagamento.

2 – Juros mais baixos: ao enxergar os clientes de forma individualizada, as fintechs de crédito são capazes de oferecer taxas de juros diferentes de acordo com o perfil de cada um dos solicitantes.

3 – Rapidez: com todos os processos feitos online, as fintechs de crédito entregam seus produtos e serviços de forma ágil aos clientes. Algumas transações, dependendo da complexidade, podem ser realizadas no mesmo dia da solicitação.

4 – Experiência melhor para o usuário: nada de filas, senhas, portas giratórias e seguranças armados na entrada. Muito além da comodidade digital, que oferece, por meio de tecnologia de ponta, transações mais fáceis, inovadoras e simplificadas, a experiência do cliente nas fintechs de crédito inclui ainda o estabelecimento de uma relação de longo prazo, já que as fintechs enxergam o crédito muito além da contratação. Muitas delas oferecem serviços de mentoria e de educação financeira, por exemplo.

5 – Segurança: as fintechs de crédito seguem as regras do Banco Central e não oferecem risco ao sistema financeiro. Além disso, por já nascerem no ambiente digital, sempre investiram na segurança online de seus clientes.

Deixe o seu comentário