São Paulo 19/10/2021 – Vender cursos online se tornou um negócio muito rentável para os profissionais. Além disso, eles ganham autoridade, credibilidade e relevância nas suas áreas.

Venda de cursos e e-books pela internet movimenta milhões no Brasil e no mundo e se torna ideal para quem quer ter mais autoridade e relevância na área que atua

Os anos de 2020 e 2021 foram transformadores para a ascensão das plataformas virtuais, sejam elas para delivery, para estudo ou para trabalho. As pessoas ficaram mais em casa, por conta da pandemia, e tiveram mais tempo para aprender algo novo, ou aprofundar em algum assunto. 

A prova disso é que o Google registrou, em 2021, um aumento no número de pesquisas por termos como Marketing Digital e Cursos Online, dois nichos que estão se destacando e lideram o mercado e-learning, que engloba os cursos que podem ser feitos de casa, com o notebook ou celular.

E o cenário é muito fértil para quem aproveitou esse momento para comercializar suas especialidades na internet, por meio de infoprodutos – mercadoria criada e distribuída no meio digital, como livros digitais, cursos online, aulas em vídeo, consultorias virtuais, livros em áudio, eventos digitais, planilhas, que possuem custos baixos e um alto potencial de lucro e escala.

Vender cursos online se tornou um negócio muito rentável para os profissionais. Além disso, eles ganham autoridade, credibilidade e relevância nas suas respectivas áreas, produzindo conteúdos para ajudar as pessoas a solucionar problemas ou aperfeiçoar habilidades. Na área de marketing digital, por exemplo, alguns infoprodutores de sucesso chegam a faturar mais de 50 milhões de reais a cada lançamento de curso. 

Mas para desenvolver um conteúdo a ser vendido, não basta ter conhecimento, é preciso saber explorá-lo e divulgá-lo da melhor forma, com campanhas de tráfego, anúncios e técnicas apuradas de copywriting, edição de vídeo e áudio, além de ferramentas para controle de pagamento. Para se dar bem neste mercado, o empresário José Paulo Pereira Silva, que empreende na área digital há mais de 20 anos, aconselha que os profissionais devem vender aquilo que realmente sabem, e que possa agregar valor na jornada de outras pessoas. 

“Como o mercado de infoprodutos e cursos online está em alta, vemos algumas pessoas que vendem cursos apenas em busca de dinheiro, o que é uma verdadeira armadilha para os consumidores. As pessoas devem ficar atentas em adquirir produtos digitais de quem já tem uma carreira consolidada na área, que seja uma pessoa de resultados concretos no nicho que atua e, assim, possa realmente ajudar na educação e profissionalização de sua audiência”, afirma o empresário, CEO do Grupo Ideal Trends. 

Segundo José Paulo, para vender cursos na internet é preciso definir seu nicho, criar um conteúdo atrativo, prático e objetivo para transformar algum aspecto da vida do seu aluno e, assim, ele se interessar no que mais o profissional ou a empresa tem a oferecer. Para ter sucesso com a venda de infoprodutos, é preciso também contar com uma boa divulgação nas redes sociais, para atrair público orgânico. 

Entre os assuntos de maior interesse, segundo a plataforma de hospedagem de cursos HeroSpark, estão: formação profissional, negócios, inglês e marketing digital. Na prática, isso reforça o movimento maior que os brasileiros estão fazendo em direção ao empreendedorismo. Um dado que exemplifica bem isso foi a recente alta de 20% no número de cadastros de MEI. Em 2020, foram 600 mil pessoas buscando pela formalização de seus negócios em todo país, segundo o Mapa de Empresas, do Ministério da Economia.

Para oferecer especialização a partir de conhecimentos práticos a essas pessoas que estão ingressando na área de negócios, alguns cursos, como os de José Paulo, chegam a disponibilizar mais de 100 horas de conteúdo e centenas de materiais de apoio aos seus membros. “Conhecimento parado não leva a lugar nenhum, por isso é importante que os grandes players do empresariado brasileiro aproveitem o avanço do interesse na área de negócios para formar pessoas cada vez mais capacitadas a trazerem inovação. É nessa experiência que o mercado de infoprodutos deve se focar, e que as pessoas devem buscar se aprofundar”, analisa o empresário. 

Ter uma bagagem no digital pode ser imprescindível para a concretização da carreira de especialistas. Algumas empresas de pesquisa de mercado projetam que até o ano de 2030 todas as organizações do mundo terão algum tipo de infoproduto. Muito mais que uma renda lucrativa, a venda de cursos online e outros infoprodutos está transformando a forma de produzir e consumir conteúdo na internet para além das telas e incentivando o mercado como um todo.

Website: https://www.instagram.com/josepaulogit/

Deixe o seu comentário