São Paulo, SP 13/8/2021 – Desde 2016, houve um aumento de 74% no número de pessoas que frequentam cursos de pós-graduação lato sensu no Brasil.

O grande número de vagas abertas  no mercado de TI requisita cada vez mais profissionais pós-graduados

No Brasil, desde 2016 houve um aumento de 74% no número de pessoas que frequentam cursos de pós-graduação lato sensu, segundo estudo feito pelo Instituto Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras de Ensino Superior) em dezembro de 2019. Este tipo de pós inclui os cursos de especialização e MBAs, diferentemente do stricto sensu, que abrange doutorado e mestrado. O mercado de trabalho está cada vez mais competitivo e exigente, o que justifica este aumento. 
  
O setor de tecnologia é o que mais cresce no país e no mundo. Segundo o Banco Mundial, até 2024 serão criadas 420 mil vagas na área de TI. Com o grande número de vagas abertas no mercado, profissionais pós-graduados estão sendo cada vez mais requisitados, e isto demonstra a importância de investir em educação continuada para obter o devido destaque. Para ter o título de especialista, é necessário fazer um curso de pós-graduação em uma instituição credenciada.

Para quem pretende liderar equipes e tomar decisões, existem os MBAs tradicionais, que mergulham em técnicas de gestão de negócios e pessoas. Têm outros que, além disso, também abrem caminho para gerenciar a infraestrutura tecnológica dentro das empresas. Já para quem pretende seguir a carreira na área técnica, se atualizar ou aprimorar suas capacidades técnicas integradas com tecnologias e plataformas modernas e relevantes no mercado atual, é benéfico cursar um MBA mais técnico, como Full Stack, Big Data ou Inteligência Artificial.

Fazer um MBA também pode ser favorável para incentivar o empreendedorismo. No Centro Universitário FIAP, por exemplo, o TCC tradicional foi trocado pelo projeto Startup One desde 2013, onde alunos que estão no último ano da graduação ou do MBA desenvolvem uma startup como projeto final, colocando em prática os aprendizados dos cursos e contando com o auxílio dos professores e dos coordenadores da FIAP. Após a conclusão do projeto, no final do curso, é totalmente possível que os alunos deem continuidade em suas startups, mantendo-as ativas.

A chegada da pandemia aprimorou e popularizou ainda mais o modelo de aula remoto, o que causou a dúvida entre cursar presencialmente ou on-line. As maiores diferenças são a forma de comunicação e a autonomia que o aluno tem em cada modalidade: no on-line, o estudante escolhe o momento e a frequência que ele vai estudar. No presencial, ele tem dia e horário pré-definidos para frequentar as aulas. Para escolher entre uma ou outra, deve-se levar em consideração tempo disponível, capacidade de se auto-organizar e localização da instituição escolhida.  

É fundamental examinar o mercado, os requisitos solicitados, as tecnologias, as certificações e as oportunidades de carreira para escolher o melhor curso de especialização. Uma vez analisados todos estes fatores, o profissional deve pesquisar suas reais oportunidades de aplicar o aprendizado em seu emprego atual ou em um novo.

Website: https://www.fiap.com.br/mba

Deixe o seu comentário