São Paulo -SP 10/1/2022 – As campanhas sobre sustentabilidade e educação ambiental são ferramentas importantes para conscientização.

Uma das principais mudanças relaciona-se a transformar as perdas em algo útil novamente e reintroduzi-lo na cadeia de valor.

O conhecimento desperta a vontade de alterar o comportamento em favor do consumo consciente e de estilos de vida mais sustentáveis. “Os hábitos de consumo que visam adotar práticas responsáveis em prol do meio ambiente, podem ser simples, mas que, se repetidas por muito tempo ou por muitas pessoas, geram enorme impacto positivo para a sociedade”, salienta Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News & Negócios (www.revistaecotour.news).

De acordo com a Pesquisa Akatu 2018, somente 4% dos brasileiros podem ser classificados como consumidores conscientes, aqueles com comportamento ativo, que de fato praticam os 5 Rs da sustentabilidade e que tomam suas decisões de consumo com base no que é melhor para o coletivo e para o meio ambiente.

As campanhas sobre sustentabilidade e educação ambiental são ferramentas importantes para conscientização, sobretudo no ambiente escolar, onde são passados os primeiros ensinamentos.

A educação ambiental nos colégios é capaz de trazer uma compreensão mais aprofundada sobre o tema. Segundo a professora de Biologia do Colégio Presbiteriano Mackenzie (CPM) Tamboré, Maristela Rangel, algumas mudanças só podem ser feitas através do ensino escolar. “A educação ambiental levanta muitos aspectos do papel do cidadão na sociedade e é um assunto fundamental a ser trabalhado nas escolas”, afirma.

A Green Eletron, maior gestora sem fins lucrativos de logística reversa de eletroeletrônicos e pilhas do país, divulgou a pesquisa “Resíduos eletrônicos no Brasil – 2021”, conduzida pela Radar Pesquisas. O objetivo do estudo é entender o hábito dos brasileiros para o descarte desses itens e verificar diferenças de comportamento e conhecimento da população nas cinco regiões do país, para que ações efetivas possam ser tomadas, levando a uma melhora do cenário de reciclagem no país.

“O Brasil descartou, apenas em 2019, mais de 2 milhões de toneladas de resíduos eletrônicos, sendo que menos de 3% foi reciclado. Além das possíveis contaminações de solo e água com o descarte incorreto, também há um grande desperdício, porque os materiais reciclados podem ser reutilizados em diferentes indústrias, evitando a extração de matérias-primas virgens”, explica Ademir Brescansin, gerente executivo da Green Eletron.

“Jovens com idades entre 18 e 25 anos declaram maior desconhecimento do que é lixo eletrônico, 14%, contra 5% dos adultos de 26 a 45 anos e 3% dos mais experientes (46 a 65 anos)”, relata Vininha F. Carvalho.

Hoje, o Brasil sofre com poucas informações sobre o que é o lixo eletrônico, a possibilidade de reciclagem dos aparelhos e a importância da discussão desse tema para a sustentabilidade do planeta. Isso influencia diretamente na conscientização da população, que tem pouco acesso às informações desse setor. “Como o público é parte fundamental no processo. esse cenário precisa mudar, por isso essa pesquisa é tão importante”, afirma Ademir Brescansin.

A logística reversa e a reciclagem dos materiais precisam ser reforçadas no processo de conscientização através dos ensinamentos obtidos através da educação ambiental. “Elas representam um compromisso com o meio onde vivemos”, finaliza Vininha F. Carvalho.

Website: https://www.revistaecotour.news

Deixe o seu comentário