São Paulo, SP 16/6/2021 – “As pessoas nem sempre agem em prol de seus próprios interesses de longo prazo, mas é possível empurrá-las na direção certa”.

Especialistas globais em ciências comportamentais ‘empurram’ os cidadãos na direção certa, pois “as pessoas muitas vezes são irracionais”.

O Fórum de Comunidades Seguras, uma colaboração global de profissionais de segurança, reuniu um painel de especialistas para discutir como a ciência comportamental pode impactar a coesão social positiva, construir o conceito de cidadania positiva e encorajar comportamentos individuais positivos. O evento virtual, realizado esta semana em Abu-Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, contou com a presença de 134 pessoas de 18 países.

O Fórum de Comunidades Seguras convocou o webinar em resposta à pandemia de Covid-19. Governos têm usado a ciência comportamental para encorajar a adesão às medidas de saúde pública, como distanciamento social e uso de máscaras.

Lindsay Juarez, Diretora do Irrational Labs, EUA, abriu a sessão, oferecendo a visão de que as pessoas são irracionais.  Segundo ela, a ciência comportamental trata de preparar as pessoas para o sucesso e romper o ruído. A informação não é suficiente para mudar o comportamento e o contexto da tomada de decisão é fundamental. “As pessoas nem sempre agem em prol de seus próprios interesses de longo prazo, mas é possível empurrá-las na direção certa. Ao lidar com a disseminação de informações incorretas, descobrimos que quando informamos as pessoas, por exemplo, que elas estão prestes a compartilhar uma postagem de mídia social com informações não verificadas, isso reduz o número de vezes que o post  é curtido e compartilhado”.

Os governos têm feito amplo uso de iniciativas de “estímulo” durante a pandemia, destinadas a encorajar a participação positiva na sociedade sem interferência significativa no processo de tomada de decisão individual.

Ed Bradon, Diretor de Assuntos Internos, Segurança e Desenvolvimento Internacional da Equipe de Insights Comportamentais do Reino Unido, comentou sobre um programa de intervenção na Nova Zelândia. “Vimos como podemos ajustar o ambiente, incentivando as pessoas a adotarem o comportamento correto. Simplificamos a linguagem para que seja compreensível para todos, mesmo crianças com nove anos de idade,  tornamos os títulos maiores e apelamos para o senso de reciprocidade das pessoas. Isso reduziu o não-comparecimento ao tribunal de 16% para 12%, uma melhoria pequena, mas encorajadora”. 

Sabrina Ng, Diretora Adjunta da Unidade de Insights Comportamentais, Ministério de Assuntos Internos de Singapura, trouxe mais de sete anos de experiência em ciências comportamentais de seu trabalho no Ministério. Ela delineou um estudo de caso referente a contatar os infratores de trânsito em várias vezes na durante sua jornada com a Polícia Rodoviária: “Uma chamada para ação clara, listando instruções passo a passo para enviar dados do motorista on-line aumentaram os envios on-line em 10%, reduzindo as horas de trabalho do tempo de processamento e a necessidade de cópias impressas. Também estimulamos mais de 3.600 motoristas a pagarem suas multas em dia, destacando o impacto da infração e as consequências da inação, facilitando o pagamento da multa e removendo linguagem complexa. Por último, encorajamos os motoristas a se inscreverem em um curso de segurança de direção com uma frase de chamariz clara e destacando a oportunidade limitada de cancelar quatro pontos deméritos de seu registro. Também foi útil fornecer um prazo flexível de um mês, o que estimulou os motoristas a se inscreverem no curso mais cedo”.

Abdulrahman Al Mansouri, Diretor do Escritório Executivo do Departamento de Recompensas Comportamentais, Ministério das Possibilidades dos Emirados Árabes Unidos, ofereceu uma perspectiva aprofundada de suas experiências nos Emirados Árabes Unidos, onde 30 funcionários-chave nos setores público e privado foram treinados em ciências comportamentais e economia para que possam incorporar esses princípios em seu trabalho.  “O Programa Nacional de Recompensas Comportamentais do Ministério das Possibilidades é baseado em quatro pilares: capacitação de indivíduos; apoio às famílias; mobilização de comunidades; e motivação da nação. Ele tem uma variedade de aceleradores projetados para encorajar a boa nutrição e o voluntariado. Cidadãos que se envolvem positivamente ao pedir comida saudável ou participando de ações voluntárias podem ganhar pontos em nosso aplicativo móvel recentemente lançado, Fazaa Behaviors, que podem ser resgatados em mais de 120 organizações parceiras”.

Encerrando a sessão, os palestrantes reconheceram que, embora a ciência comportamental não seja uma bala de prata, ela pode desempenhar um papel crucial na promoção de uma sociedade saudável, proativa e engajada – e especialmente no incentivo a medidas de saúde pública durante a pandemia.

Representantes da Antígua e Barbuda, Aruba, Canadá, Egito, França, Índia, Iraque, Irlanda, Israel, Jordânia, Quênia, Marrocos, Arábia Saudita, Singapura, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido, Estados Unidos e Iêmen participaram do evento.

O Fórum de Comunidades Seguras é uma plataforma colaborativa onde profissionais de várias disciplinas, dos setores de educação, saúde,  tecnologia, e autoridades policiais podem se reunir para criar uma rede, aprender e compartilhar ideias em um nível global. Este modelo interdisciplinar estimula os participantes a se relacionar, compartilhar as melhores práticas e aprender sobre modelos de sucesso para manter as comunidades seguras e incentivá-las a prosperar.  

O Fórum Comunidades Seguras foi estabelecido sob o patrocínio de Sua Majestade o Tenente General Sheikh Saif bin Zayed Al Nahyan, Vice-Primeiro Ministro e Ministro do Interior dos Emirados Árabes Unidos e será apoiado durante as suas fases iniciais com a esperança de que se transforme em um plataforma internacional para profissionais de várias disciplinas e países.

 

Website: https://www.moi.gov.ae/en/default.aspx

Deixe o seu comentário