São Paulo 28/5/2021 –

Considerado um dos maiores grupos de risco, gestantes precisam de diagnóstico preciso e acompanhamento médico para evitar possível progressão da doença

A disseminação do novo coronavírus continua alta no Brasil, seguida por milhares de casos de óbitos e complicações. Entre os grupos de risco que apresentam maiores chances de progressão da doença e devem seguir à risca as medidas preventivas estão as mulheres em período gestacional, especialmente as que se encontram após a 28ª semana de gravidez ou possuam idade mais avançada, sofram de obesidade ou outras doenças como diabetes e hipertensão. Nesses casos, havendo qualquer suspeita de contaminação, o diagnóstico precoce pode ser decisivo para frear a evolução do quadro.

“Muitas gestantes apresentam sintomas leves como febre, mal-estar e tosse, parecidos com os de uma gripe. Porém, em casos de gestação a partir do terceiro trimestre, assim como a presença de comorbidades, os quadros podem se tornar graves, chegando a apresentar falta de ar, confusão mental, trombose, pré-eclâmpsia e parto prematuro. Por isso, ao sinal dos primeiros sintomas é preciso procurar ajuda médica para o diagnóstico, tratamento e acompanhamento das condições de saúde”, explica Dr. Sérgio Mancini Nicolau, médico ginecologista livre-docente da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo).

Nesse sentido, algumas ferramentas laboratoriais têm ajudado médicos e pacientes, com resultados rápidos e diagnósticos precoces. Recentemente, a multinacional alemã especialista em tecnologia para testes moleculares QIAGEN, apresentou à comunidade científica uma ferramenta laboratorial que permite a testagem de um painel respiratório da paciente, ao identificar qual dentre 22 principais agentes, entre bactérias e vírus, é o causador dos sintomas, incluindo o SARS-Cov-2, o novo coronavírus.

Na categoria de testes sindrômicos, o QIAstat-Dx auxilia na identificação de múltiplos patógenos simultaneamente, responsáveis por causar sintomas clínicos parecidos, como febre, tosse e dor de cabeça, o que facilita a conclusão do diagnóstico e o tratamento adequado para o quadro.

Voltado ao diagnóstico clínico e com registro ativo na ANVISA, o QIAstat-Dx realiza, de forma rápida e sem necessidade de manipulação, o diagnóstico direto de amostras de swab nasofaríngeo de pacientes com suspeita de infecção respiratória, e libera o resultado da análise em até uma hora. Sua tecnologia tem o potencial de diminuir o tempo de permanência da paciente no hospital, evitar internações desnecessárias e identificar pacientes que, dependendo da contaminação, precisam de isolamento ou demais medidas de controle da infecção.

“Essas ferramentas são de extrema importância para concluirmos o diagnóstico da paciente. Caso a infecção seja por bactéria, já iniciamos a administração de antibióticos. Se a paciente estiver contaminada pelo novo coronavírus, providenciamos seu isolamento e tratamento adequado. Os testes sindrômicos facilitam o trabalho da equipe médica e reduzem os efeitos colaterais dos medicamentos desnecessários”, declara o médico intensivista do Hospital das Clínicas, Dr. Daniel Joelsons.

Website: https://www.qiagen.com

Deixe o seu comentário