Campinas (SP) 19/10/2021 –

Com a taxa de desemprego alta gerada pela pandemia e pela falta de perspectivas para recolocação a curto e médio prazo, cerca de 50 milhões de brasileiros pretendem investir na abertura de um negócio próprio nos próximos três anos, segundo Pesquisa da Global Entrepreneurship Monitor (GEM). O número representa um aumento de 75% nas intenções em relação ao levantamento anterior.

Apesar de mostra o alto grau de empreendedorismo no país, considerado um dos maiores do mundo, virar empresário no Brasil exige preparo e cuidados para que o sonho não vire um pesadelo no futuro, como alerta Antônio Carlos Ayuso, contador e diretor da Ayuso Contabilidade.

Ayuso conta que a maioria das pessoas que abre um negócio, por vontade de empreender ou mesmo para encontrar uma fonte de renda como alternativa ao desemprego, entra para o mundo corporativo sem as mínimas noções de estruturação, gerenciamento do negócio e das finanças, custos e estratégias. “Quando a pessoa decide fechar sua empresa pelo insucesso e prejuízos, as principais causas apontadas são: impostos altos, política governamental, funcionários e outras causas”, conta.

Ayuso aponta que, na verdade, o fracasso do negócio está diretamente ligado a alguns fatores cruciais, que recebem pouca atenção por parte do empreendedor antes e durante o funcionamento da empresa. São eles: falta de controle; falta de conhecimento básico da gestão de caixa; desconhecimento do ciclo de caixa; deixar de usar a contabilidade como instrumento gerencial; não trabalhar com projeção orçamentária; deixar de fazer o preço de venda de forma correta; desconhecimento dos mecanismos dos impostos; pagar somente os impostos diretos, que são sobre o lucro, pois o lucro pertence aos proprietários da empresa; e deixar de investir em inovação.

Ele alerta aos velhos e futuros empreendedores que ter um contador ao seu lado pode ajudar o seu negócio a prosperar, evitando o fechamento em poucos anos. “A contabilidade relata a ação dos seus gestores através do gerenciamento diário e dos balanços, identificando as origens dos recursos (passivo e patrimônio líquido) e onde esses recursos estão alocados, suas aplicações (Ativo) e com passa a ter o equilíbrio financeiro”.

Ainda segundo Ayuso, as ações dos gestores, com acompanhamento do contador, podem fazer toda a diferença no negócio. “Se as origens forem bem aplicadas, ele terá lucro. Já a falta de conhecimento e descontrole levarão a constantes prejuízos, causando a interrupção do ciclo de vida da empresa”, completa.

Website: https://ayuso.com.br/

Deixe o seu comentário