São Paulo, SP 4/2/2021 – Hoje estamos organizando algumas startups de construção civil que atuam de forma complementar, mas com alguns objetivos em comum

A inteligência colaborativa no setor cooperativismo faz com que lideranças inovadoras desenvolvam um trabalho mais vantajoso, rentável e sustentável

Com a pandemia da Covid-19, vários setores da economia brasileira passaram por muitos desafios, de acordo com o Sistema da Organização das Cooperativas Brasileiras – OCB, a crise não atingiu o movimento cooperativista que continua crescendo e se destacando como um agente importante na economia nacional, em um setor cada vez mais eficiente e competitivo. O balanço divulgado no Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020 aponta o faturamento de R$ 308,8 bilhões.

A eficiência econômica em destaque nas cooperativas brasileiras se evidencia com a adoção de um sistema de startups de inteligência colaborativa, segundo Yves Rabelo Mourão, engenheiro civil com ênfase em Gestão de Projetos e Produtos digitais. O profissional esclarece que a prática do exercício de se organizar compartilhando ideias semelhantes e otimizando tarefas, que seriam repetitivas caso fossem feitas isoladamente, faz com que as cooperativas adquiram resultados que nunca seriam alcançados se fossem produzidos sozinhos.

Conforme o engenheiro civil, a inteligência colaborativa no setor cooperativismo faz com que lideranças inovadoras e uma gestão profissionalizada troquem o antigo pelo novo, ou seja, desenvolvam um trabalho mais vantajoso, rentável e sustentável. “Esse modelo de cooperativismo podemos ver, incrivelmente, na natureza animal. Como por exemplo, as formigas. Cada uma tem sua função no formigueiro e, além disso, fazem suas atividades de forma sincronizada. Uma formiga ao encontrar um pedaço de doce, chama as outras, que em colaboração e organização estratégica levam o doce ao formigueiro. Supercolaborativas e eficientes!”, explica Yves Mourão, que tem MBA em Gestão Empresarial e Especialização em Construções Sustentáveis.

A inteligência colaborativa, alega o profissional, deixou o setor cooperativista com maior capacidade de unir forças e fazer parcerias para otimizar resultados, facilitando até mesmo nas soluções de problemas. As empresas passaram a construir redes colaborativas, aumentando cada vez mais seus lucros e se tornado cada vez mais poderosa. “E se nós pudéssemos trabalhar igual às formigas? Foi exatamente isso que aconteceu com o advento da internet e a introdução dos smartphones em nossas vidas, os aplicativos direcionados para fins específicos reúnem pessoas de interesses comuns que colaboram entre si para um bem coletivo. Exemplos de lucratividade e poder no ramo digital, temos: Instagram, Wase, Facebook, iFood, Uber, Airbnb, entre outros”, explana Mourão, palestrante nas temáticas relacionadas a sistemas colaborativos de otimização de custos, processos e crescimento comercial, com foco em: compras com demanda agrupada; tecnologia BIM; cooperativas e startups de construção civil.

Atualmente, de acordo com dos dados disponíveis no Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020, desenvolvido pelo Sistema OCB, o cooperativismo brasileiro conta com 5.314 cooperativas e 15,5 milhões de pessoas cooperando para um melhor desenvolvimento sustentável. E no ano passado, registraram um patrimônio líquido de R$ 126,4 bilhões, enquanto que no ativo total o valor registrado foi de R$ 494,3 bilhões.

“Tive a oportunidade de desenvolver o setor comercial da maior cooperativa de construtoras do Brasil, a Coopercon CE, detentora de 42% do marketshare do Brasil, segundo o anuário da Coopercon Brasil de 2019. Passei sete anos desenvolvendo processos e metodologia de trabalho com as construtoras cooperadas, que objetivavam comprar insumos e desenvolver negócios em conjunto. Mas nós éramos as formigas sem a comunicação necessária. Nos dois últimos anos que estive lá, estivemos focados em desenvolver uma plataforma digital onde as empresas poderiam colaborar com as suas demandas, para a compra de produtos específicos e, além disso, compartilharem com as outras construtoras as vantagens de aderirem àquela compra. Os resultados foram tão positivos que outras cooperativas aderiram às compras pelo portal”, relata o engenheiro civil, com cursos de: Formação de Empreendedores; Processo de Aceleração da Startup Antecip; Planejamento para Iniciação Empresarial e The basics of civil construction in USA – International Construction Immersion (ICI).

Mourão, que possui experiência em Formação de rede colaborativa de startups para construção civil com serviços complementares, com foco em redução de custos e aumento de produtividade, esclarece que também existem muitas plataformas e aplicativos que permitem uma organização sistemática realizar atividades comuns sem intervenção de intermediários, consequentemente, sem comprometer as margens de ganho das partes.

“É só deixar a imaginação livre para criarmos mais soluções em conjunto e de forma colaborativa. Hoje estamos organizando algumas startups de construção civil que atuam de forma complementar, mas com alguns objetivos em comum, é como se organizássemos vários formigueiros para potencializarem seus resultados juntos. Quem sabe ultrapassamos a tecnologia das formigas”, conclui o engenheiro civil Yves Rabelo Mourão, que tem forte experiência em atuação em desenvolvimento e gestão de novos negócios na área de construção, como solução para redução de custos no setor através de novas tecnologias, tendo a economia coletiva como base e em criação, desenvolvimento e em gestão de startups com foco em: negociações B2B com demanda agrupada.

Website: https://www.linkedin.com/in/yves-mourao/

Deixe o seu comentário