São Paulo, SP 17/12/2021 – A certificação de proficiência em inglês é uma exigência nos cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado em universidades de referência.

Ter um certificado de proficiência em inglês traz vantagens que vão além da comprovação de domínio do idioma; é um pré-requisito para intercâmbios, programas de especialização, impulso à carreira em empresas dentro e fora do país, e interações multiculturais

Um ranking global divulgado recentemente pela EF EPI – a partir de um teste que mede o índice de proficiência em inglês e, em 2020, contou com a participação de mais de dois milhões de pessoas, de 112 países – apontou que o Brasil ainda tem muito a avançar na aprendizagem do idioma. O país apresentou índice de proficiência baixa e ocupou o 60º lugar da lista, ficando bem atrás de outras regiões da América Latina, como Bolívia (41º), Cuba (43º), Costa Rica, República Dominicana e Paraguai (44º), que tiveram proficiência moderada. A Argentina (30º) foi o único país latino-americano com proficiência alta.

Em uma era interconectada, ter fluência no inglês – idioma universal – deixou há muito tempo de ser um diferencial competitivo e passou à condição imprescindível para não inviabilizar oportunidades de estudo, trabalho, viagens e convívio com outras culturas.

O certificado de proficiência em inglês tem sido cada vez mais solicitado em diversas situações, deixando de ser apenas um documento de comprovação de domínio do idioma. Hoje, é um pré-requisito para avaliação de intercâmbios, ingresso em programas de especialização e alavanca para entrada e desenvolvimento da carreira em grandes empresas dentro e fora do país.

“A certificação de proficiência em inglês é uma exigência nos cursos de pós-graduação, mestrado e doutorado em universidades brasileiras e internacionais de referência. Também é essencial para facilitar o acesso às instituições de ensino de qualidade nos programas de intercâmbio. E, para quem pensa em seguir a vida acadêmica ou almeja cargos de liderança em empresas nacionais e multinacionais, alçando novas posições no mercado de trabalho, precisa se empenhar para obtê-la”, diz Aline Bianchi, consultora pedagógica da Red Balloon. A especialista destaca cinco dicas de preparação para exames:

1. Mantenha o foco no objetivo e compreenda a dinâmica
Há vários certificados, com propósitos e benefícios diferentes. Esteja certo de seu objetivo para obtenção de determinada certificação e compreenda a dinâmica do exame para aprofundar o estudo. Alguns têm mais ênfase na compreensão oral e na leitura, enquanto outros são mais abrangentes, englobando as quatro habilidades: leitura (reading), conversação (speaking), escrita (writing) e compreensão (listening).

2. Treine com antecedência
Cada exame tem uma estrutura própria, com organização específica dos exercícios, estratégias de aplicação e logística de resolução dos conteúdos. Busque por provas modelo e testes práticos, evitando grandes surpresas no dia da avaliação.

3. Gerencie o tempo
Antes de iniciar o exame, tenha em mente que, além da resolução dos exercícios, é preciso reservar tempo para, ao final, transferir suas respostas ao gabarito.

4. Invista na interpretação
Concentre-se nos enunciados das questões e no que está sendo solicitado em cada exercício. A prática da leitura melhora a concentração, auxilia na interpretação de texto, estimula o raciocínio lógico e ajuda a evitar equívocos por falta de atenção.

5. Pratique o autocontrole
Na preparação para o exame, não descuide do autocuidado. Durma e alimente-se bem, hidrate-se, faça exercícios físicos. Mesmo diante da pressão, mantenha o autocontrole. Se precisar, pare, respire, alongue-se, e recupere a atenção plena.

Website: https://www.redballoon.com.br/

Deixe o seu comentário