Guarulhos/SP 7/6/2021 – Somente o Brasil colabora com 2 milhões, volume equivalente a trinta estádios do Maracanã cheios, da base até o topo.

Aço inox conta com características que o faz ser uma opção assertiva no apoio à preservação do meio ambiente

Neste sábado, dia 5 de junho, é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente, pauta importante para se falar sobre a importância da continuidade desse bem precioso para a humanidade. A preservação do ecossistema tem tomado a agenda de representantes de países de todo o mundo. Garantir a conservação do meio ambiente para as futuras gerações deixou de ser um tema a ser pensado, e passou da hora de ser uma prática comum de todos.

Estudo divulgado pela a Associação Internacional de Resíduos Sólidos (Iswa, na sigla em inglês) em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) apontou que 25 milhões de toneladas de resíduos são jogados por ano nos oceanos. Somente o Brasil colabora com 2 milhões, volume equivalente a trinta estádios do Maracanã cheios, da base até o topo.

Ainda segundo o Iswa, 80% desse volume tem origem nas cidades que tem deficiência na coleta de lixo. O relatório evidencia que, para cada tonelada de resíduo de plástico descartado, até 7 quilos (kg) vão parar nos oceanos.

Uma forma de amenizar essa situação é a escolha de materiais alternativos 100% recicláveis. Papel biodegradável, vidro e o aço inoxidável são opções procuradas pelo mercado, sobretudo por empresas que buscam contribuir com a agenda de preservação do meio ambiente.

Cidades como São Paulo proibiram o fornecimento de copos, pratos, talheres e outros utensílios feitos de plástico descartável em estabelecimentos comerciais, como bares, hotéis e restaurantes.

Dentre as diversas opções que podem ser utilizadas, o aço inoxidável tem sido uma escolha com custo-benefício vantajoso para substituir muitos dos produtos que são fabricados em materiais descartáveis, como o plástico. “Um grande exemplo disso são os canudos em aço inox, vantajosos pois contam com todos os atributos do inox, com destaque para a sua durabilidade que o preserva por muitos anos, diferente do vidro, papel biodegradável, bambu e outras opções”, explica Douglas Brito, diretor comercial da Projinox, indústria que trabalha na fabricação de produtos especiais em inox.

A Projinox aponta algumas das vantagens da escolha do aço inox:

  • 100% reciclável: além de ser quimicamente seguro, o aço inox não perde suas propriedades ao ser reutilizado. Soma ainda o fator nobreza do material, que por seu custo, todas as empresas que utilizam o aço inox reaproveitam de alguma forma a sua sucata;
  • Durabilidade: um produto fabricado nesse material dificilmente será descartado. Por contar com diversas resistências, seu tempo de vida útil é elevado, e sua manutenção é baixa;
  • Resistências: como o próprio nome revela, esse tipo de metal é menos suscetível à oxidação. A depender da escolha do tipo de inox, seu uso é recomendado até mesmo em regiões litorâneas, onde a forte maresia prejudica outros tipos de materiais. O inox também tem resistência às intempéries do tempo. Um corrimão inox, por exemplo, é indicado tanto para ambientes externos como internos, pois não terá problemas com a chuva ou até mesmo a poluição presente no próprio ar.
  • Facilidade na limpeza: o inox é prático. Uma correta limpeza pode garantir longos anos a qualquer item fabricado nesse material. De forma geral, sabão neutro e água é o suficiente para garantir uma limpeza perfeita, além de mantê-lo com aparência de novo;
  • Higiênico: o inox é recomendado por órgãos de vigilância sanitária mundiais para hospitais e laboratórios por ser considerado um material com baixa porosidade. Uma bancada em aço inox, por exemplo, não contem fissuras que possam alojar microrganismos prejudiciais à saúde, além disso, o inox não transmite ou altera sabor, odor ou cor do que é manipulado sobre sua superfície.

Essas e outras características colocam o aço inox como um aliado na luta contra a poluição.

 

Website: https://www.projinoxindustria.com.br/

Deixe o seu comentário