São Paulo, SP 8/7/2021 –

Com solidariedade em alta, promoção de apoio mútuo é incentivada para casos de coronavírus e também de saúde mental e violência doméstica

Passado mais de um ano no início da pandemia, ainda não existem fórmulas prontas para superar o difícil cenário que ainda persiste. Mas não há dúvidas de que a solidariedade tem sido uma das ferramentas mais eficazes para apoiar e ajudar as pessoas a enfrentar a COVID-19 e todas as suas consequências. Diversos estudos apontam nesse sentido. Como, por exemplo, uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva, divulgada no fim do ano passado, que aponta que 49% dos brasileiros fizeram algum tipo de doação durante a pandemia – seja em dinheiro, produtos alimentícios ou sanitários ou mesmo de tempo, com disponibilidade para ouvir e ajudar alguém dentro de suas possibilidades e assim espalhar o “vírus da ajuda ao próximo”.

Foi baseada nessa premissa que o UnitedHealth Group Brasil, empresa que é composta pela operadora de planos de saúde Amil e pela rede médico-hospitalar Americas, lançou um programa interno de apoio mútuo entre colaboradores para casos de COVID-19, de saúde mental e de violência doméstica. A iniciativa, que acaba de completar um ano, já engajou mais de 220 pessoas.

Batizado de UnitedCares, o programa oferece suporte a qualquer colaborador com suspeita ou diagnosticado com a COVID-19, além de sua família, por meio de um outro funcionário da empresa, não diagnosticado com o coronavírus, que atua voluntariamente e é chamado de Guardião. Com o foco na experiência dos colaboradores, o serviço do UnitedCares foi ampliado no fim do ano passado e passou a atender também casos de saúde mental e de violência doméstica.

A atuação do Guardião para apoiar o colaborador que aciona o programa consiste em evidenciar os diversos benefícios e opções de suporte que a empresa dispõe para esses três tipos de caso. O acesso ao programa se dá por meio de uma plataforma de telessaúde, que pode ser acionada a qualquer momento por quem deseja solicitar o apoio. A partir daí, os guardiões recebem uma mensagem por e-mail e um SMS avisando que existe alguém para ser guardado e já fazem o primeiro contato.

Os colaboradores voluntários recebem treinamento das áreas de Educação e Saúde da empresa sobre como lidar com os desafios do atendimento. Outras lideranças e business partners da companhia também foram treinados. Para medir a efetividade do programa, uma pesquisa de feedback é enviada após seis semanas de atendimento.

“O ponto de partida do programa é a série de iniciativas de apoio oferecida pela empresa, que é bastante consistente. O guardião é um facilitador. Mas a atuação dele só faz sentido a partir do que a empresa disponibiliza como suporte”, explica Ricardo Burgos, vice-presidente de Capital Humano do UnitedHealth Group Brasil.

O carro-chefe da empresa nesse sentido é o Programa de Apoio ao Colaborador (PAC), que provém assistência psicológica, financeira, jurídica e social aos funcionários da companhia – frentes que as pessoas geralmente necessitam de apoio quando estão diante de um quadro de COVID-19, violência doméstica ou transtorno mental. Todos os 38 mil colaboradores da companhia têm acesso ao programa que, de janeiro de 2020 a maio de 2021, já prestou mais de 19,5 mil atendimentos.

Entre os benefícios oferecidos pela empresa estão também o empréstimo consignado, acesso a plataforma de exercícios físicos remotos, descontos em farmácia, Programa de Saúde Mental com equipe multidisciplinar, acompanhamento via telessaúde, cupons de desconto para delivery de itens diversos e refeições.  “Muitas vezes, a pessoa em adoecimento ou situação de vulnerabilidade não sabe por onde começar a pedir ajuda. E o guardião é essa figura que pode orientá-la e ajudá-la, ao indicar os caminhos possíveis. Em muitos casos, ele acaba virando um amigo, um conselheiro, um grande apoiador”, comenta Burgos.

Essa foi a experiência da guardiã Barbara Freitas. “O programa é direcionado para a pessoa que é guardada. Mas ele também proporciona milhares de sentimentos positivos para os guardiões”, define a assistente de Capital Humano. Já para Regina Gomes Santiago, analista jurídica do UnitedHealth Group Brasil, que teve COVID-19 no ano passado e usufruiu do programa com o apoio de Barbara Freitas, o suporte foi importante para ultrapassar o período da doença com mais tranquilidade.  “Fui acometida por uma doença que é nova e devastadora. Enquanto muitas empresas quebraram ou demitiram seus funcionários, a que trabalho criou um programa para ajudar seus colaboradores. Eu me senti muito acolhida. Tive muito medo no início da doença, mas a empresa mostrou que estava do meu lado e que eu podia contar com ela no que precisasse. Até cupom de empresa de delivery de comida me disponibilizaram através do programa. Esse apoio foi fundamental para o meu lado psicológico”, conta.

Website: https://www.unitedhealthgroup.com/

Deixe o seu comentário