São Paulo, SP 4/2/2021 – O momento é bastante propício para empreendedores que têm um projeto de obter renda pela internet e que muitas vezes não sabem por onde começar

Nesse momento ímpar vivido pelo Brasil e pelo mundo, em que a pandemia de Covid-19 ocasionou o crescimento das atividades home office, ampliam-se as oportunidades de obter renda sem sair de casa e de empreender com poucos recursos.

O faturamento do e-commerce brasileiro em 2020, conforme os últimos dados apurados pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), deverá superar R$ 100 bilhões, o que representa crescimento de 18% em relação a 2019. Ainda que seja um balanço parcial, tudo indica o acerto da estimativa. A EbitNielsen, consultoria especializada na mensuração e análise do comércio eletrônico no país, já tem até uma estimativa para 2021, quando se espera um movimento de R$ 110 bilhões.

Segundo o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 94% dos domicílios brasileiros estão conectados à internet pelo celular e mais de 96% desse público está em alguma rede social. Ações efetivas, como compras, cursos, debates, mensagens, entre outros posicionamentos, envolvem 87% dos brasileiros, conforme levantamento da Abcomm. Pelo lado corporativo, cada vez mais empresas seguem a trilha do digital em busca desses perfis diversos de consumidores, abrindo canais de vendas em alguma mídia social. Eis um dos motivos que justifica o crescimento continuado do marketing digital há vários anos.

“O momento é bastante propício para empreendedores que têm um projeto de obter renda pela internet e que muitas vezes não sabem por onde começar”, opina Edmundo Roveri, CEO da plataforma Sistema IBVD, criador da comunidade Empreenda com Liberdade e autor de sete livros sobre empreendedorismo digital.

Ele informa que muitas pessoas retardam o início do negócios por acreditar que seus projetos demandam investimentos que elas não dispõem, mas esquecem de que a falta de capital hoje não é um problema. “O mercado está cheio de provedores bons e confiáveis que por um pequeno valor monetário mensal fornecem tudo o que empreendedor precisa para iniciar o seu negócio, incluindo ferramentas de relacionamento com os clientes”, comenta Roveri.

A plataforma Sistema IBVD é uma delas. Trata-se de um estrutura pensada em cada detalhe para que qualquer pessoa com um projeto de negócio digital possa criar suas páginas, estruturar equipes remotas de vendas, segmentar a comunicação para seus diversos públicos, organizar disparos automáticos de e-mail, criar campanhas de marketing, programar relacionamentos para a geração de leads, entre outras facilidades.

São mais de 200 templates prontos para serem copiados, colados e editados de acordo com a necessidade do empreendedor. Roveri garante que é possível a qualquer pessoa, com ou sem conhecimento digital, sair do zero e ter uma página de prospecção 100% operacional em apenas cinco minutos. “E o mais importante, por um preço que todo mundo pode pagar”, informa.

Esse movimento é uma tendência que vai se confirmando a cada dia.
Além das empresas, que sem atuação digital perdem cada vez mais espaço no mercado e por isso aderem em profusão ao segmento, pessoas físicas também buscam no marketing digital uma alternativa ao desemprego, ou de conseguir uma renda extra, quando os seus rendimentos não atendem suas necessidades.

O índice de ocupação dos brasileiros em 2020, segundo o IBGE, foi menor. O desemprego atingiu 13,8 milhões de pessoas, ou 14,4% da População Economicamente Ativa (PEA). O próprio IBGE aponta crescimento no número de pequenos empreendedores que veem no marketing digital alguma possibilidade de gerar renda.

Na prática, vários fatores associados ajudam na expansão de atividades empresariais sob o guarda-chuva do marketing digital. Enquanto o mundo vive a pandemia de Covid-19, com a sistematização do isolamento e do home office, crescem as oportunidades de negócios tendo a internet como principal canal para chegar aos clientes.

No Brasil, a demanda por delivery cresceu mês a mês em 2020 em consequência do isolamento social. Só no trimestre de julho a setembro o aumento foi superior a 85%, resultando em vendas de R$ 33,4 bilhões. Nos quatro primeiros meses do ano, uma gigante do marketplace atraiu 183 milhões de visitas, segundo pesquisa da SEMrusch, líder global do marketing digital.

“Diante dessa realidade, quem deseja entrar para o mundo dos negócios e quer começar pelo marketing digital, as possibilidades são infinitas”, opina Roveri. Ele lembra que mesmo sem um projeto estruturado, a pessoa pode começar a empreender como afiliado de um projeto em andamento enquanto adquire conhecimento e experiência para alçar voos maiores.

A plataforma Sistema IBVD, segundo Roveri, tem diversos produtos digitais disponíveis para o mercado e compreende a alternativa de parceiros no negócio para atuar como afiliados. O empreendedor começa divulgando os infoprodutos IBVD para a sua base de contatos com a orientação técnica necessária, treinamentos e cursos e ganha comissão pelas suas vendas a cada fechamento de contrato. A partir daí, diz Roveri, todo mês ele terá uma renda residual, pois passará a receber uma parte do valor das mensalidades pagas pelos clientes que ele conquistou.

O marketing digital é uma realidade na vida das pessoas e das empresas, observa Roveri, e cresce vertiginosamente a oferta de oportunidades de ganhar dinheiro por esse meio. “Hoje, com um pequeno investimento, pode-se alcançar grandes resultados”, conclui.

Mais informações sobre a plataforma Sistema IBVD estão disponíveis no endereço: http://www.sistemaibvd.com

Website: http://www.sistemaibvd.com

Deixe o seu comentário