A web transformou as relações pessoais tanto quanto influenciou as tendências de mercado. E quem soube aproveitar o fim das barreiras físicas e geográficas com o advento da internet para criar novos modelos de negócio saiu na frente.

É o caso da Econet Editora, que já nasceu digital em 2002. A empresa abriu as portas em Curitiba quando a internet discada ainda era um recurso caro e escasso, disponível para uma fatia pequena da população. O empresário Silvio Garbosa enxergou na ferramenta que logo decretou o fim das fronteiras do conhecimento, em uma oportunidade de negócio. Foi ele quem fundou a Econet, que produz boletins online para contadores e empresários com informações de cunho legislativo nas áreas trabalhista, previdenciária, tributária, fiscal e de comércio exterior. 

“Eu conhecia esse mercado e sabia que existia uma carência dos profissionais da contabilidade, que precisavam de informação confiável, segura e com agilidade para se manterem atualizados com a lei vigente para realizar seu trabalho. Os boletins de papel eram caros por conta do custo da impressão e, principalmente, dos Correios. E foi essa demanda que me inspirou a abrir a Econet”, relata Garbosa.

A empresa cresceu na esteira da ampliação no número de usuários da internet no Brasil e já possui em sua carteira 57 mil clientes em vários estados. A população brasileira está cada vez mais conectada, como mostra a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2019, realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com o levantamento, 82,7% dos domicílios nacionais possuem acesso à internet, um aumento de 3,6 pontos percentuais em relação a 2018. A Econet aproveita esse comportamento dos brasileiros para difundir conteúdos na sua plataforma online e produz 139 boletins por mês.

Além disso, outro estudo, divulgado pela plataforma Cupom Válido, que reuniu dados da Hootsuite e WeAreSocial, aponta que os brasileiros ficam, em média, 3h42 por dia conectados nas redes sociais. Mais do que nunca, as redes sociais se tornaram um importante canal de conexão entre as marcas e os consumidores. Atenta a essa realidade, a Econet possui um canal no YouTube com mais de 62 mil inscritos, que também leva para o público informações legislativas.

Instintivamente, o fundador da empresa apostou na escalabilidade dos negócios, que na atualidade é uma das principais estratégias das startups, que vem sendo replicada por outras organizações. Escalar significa aumentar a capacidade de faturamento da empresa, sem aumentar os custos operacionais na mesma proporção. Mas mesmo antes da existência desse conceito, hoje considerado como uma forma de inovação, a Econet Editora já havia identificado na prática como a escalabilidade poderia contribuir com seu modelo de negócio.

A empresa começou com três pessoas: além de Silvio, seu irmão e mais um colaborador integravam a equipe. O fundador tinha vasta experiência na área comercial e era quem colocava a pasta debaixo do braço e percorria os escritórios de contabilidade para vender um produto inédito. O primeiro pedido foi emitido no dia 20 de novembro de 2002. Depois de dez meses, a carteira da Econet já contava com 321 clientes. Em menos de um ano de atuação, a empresa já havia adotado a venda de assinaturas em escala como uma fórmula para ampliar a base de clientes e aumentar o faturamento e 20 anos após a primeira venda possui três sedes no Brasil. 

Um novo mercado

Conforme o Global Entrepreneurship Monitor (GEM), que realiza estudos sobre o empreendedorismo, em 2021,o Brasil ganhou duas posições em relação ao ano anterior e ocupa o quinto lugar no ranking das maiores taxas de empreendedorismo no mundo. Outro dado importante divulgado pelo estudo foi a volta do crescimento dos chamados empreendedores estabelecidos, ou seja, aqueles que estão à frente de um negócio há mais de 3,5 anos. Apesar disso, grande parte dos empreendedores ainda não está preparada para assumir a gestão de um negócio.

“Nós soubemos fazer essa leitura porque acompanhamos a movimentação do mercado e, há muitos anos atrás, já observamos que a consultoria é uma necessidade latente dos empresários para se adequarem à legislação. E para oferecer esse suporte para os clientes, além da assinatura para o acesso aos conteúdos do site, foi necessário formar esses consultores. Levamos de três a quatro meses para estruturar a base técnica da equipe e os treinamentos são contínuos”, conta Garbosa.

Atualmente, a Econet realiza em média 152.037 atendimentos mensais por telefone; e recebe 65.159 pedidos de consultoria via email durante o mês.

Pós-graduação

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Semesp em 2019, intitulada Cursos de Especialização Lato Sensu no Brasil aponta que no período de 2016 a 2019, o número de matrículas na pós-graduação lato sensu cresceu 74%. Na modalidade presencial, o crescimento foi de 44% entre os anos de 2016 e 2018, e, na modalidade EAD, foi de 124%. Os cursos de Direito aparecem em segundo lugar entre as áreas mais procuradas, com 37,2% das matrículas. 

E depois de oferecer por duas décadas cursos livres – primeiro presencialmente e depois nas plataformas de ensino à distância – a Econet Editora percebeu que poderia formar mão de obra qualificada para os concorrentes. E, em 2022, ingressou no mercado de especializações na modalidade à distância. Os cursos são nas áreas Fiscal, Contábil Tributária, Trabalhista e Previdenciária. Para 2023, a meta do fundador da empresa é ampliar a infraestrutura e construir mais dez estúdios para gravação das aulas com equipamentos de última geração.

Sem categoria