São Paulo 27/1/2022 – É gratificante ver as pessoas se aceitando do jeito que são. Estamos vivendo um novo momento em que tanto as pessoas como o mercado estão mudando.

Após anos de chapinha e escova progressiva, homens e mulheres estão assumindo seus cabelos com texturas naturais; mercado tem acompanhado essa tendência disponibilizando serviços e produtos para esse público

O Brasil tem experimentado um movimento cada vez mais forte de homens e mulheres que estão assumindo os seus cabelos naturais, seja ele crespo, cacheado ou ondulado. A busca pelo amor-próprio, empoderamento e o fortalecimento da identidade está entre as razões dos brasileiros terem deixado a escova progressiva e a chapinha de lado.

Segundo uma pesquisa realizada pelo Google BrandLab em 2017, pela primeira vez no país a busca por cabelos cacheados no Google foi maior do que cabelos lisos. Os dados mostraram um crescimento de 232% por cabelos cacheados e um aumento de 309% por cabelos afro.

Os dados mostram ainda que uma em cada três mulheres foi vítima de preconceito relacionado ao cabelo, e quatro em cada 10 disseram já ter sentido vergonha dos cabelos cacheados.

A empresária Kátia Teófilo passou quase duas décadas alisando os seus cabelos crespos. Ela fazia escova semanalmente e a cada dois meses passava por uma rodada de químicas no cabelo, tudo para deixá-los lisos. A versão natural não era vista nem mesmo em casa pelo marido.

“Desde muito jovem eu alisava o cabelo e quando tive minha filha percebi que não sabia cuidar do cabelo crespo dela porque eu nunca tinha cuidado nem do meu. Eu procurei por especialistas em cabelos com texturas naturais na minha região e não achei ninguém, por isso em 2012 decidi fazer um tratamento para assumir a minha forma natural e assim poder ajudar a minha filha a lidar com os seus cabelos”, relatou Kátia.

Pois é, reconhecer a forma natural do cabelo é mais difícil para mulheres mais velhas, de acordo com o Google BrandLab, porém as crianças já estão embarcando no movimento. “Uma amiga minha falou assim: Carol, por que o seu cabelo é duro? Aí eu falei assim: meu cabelo não é duro não! Sabe o que é duro? Duro é ter que aguentar gente ignorante dizendo que meu cabelo é duro”, disse Caroline Dias, com 8 anos no momento da entrevista para a pesquisa.

Produtos e serviços para cabelos naturais

O segmento da beleza é um dos mercados que mais movimenta a economia mundial e as empresas já enxergam essa demanda por serviços e produtos específicos. Se antes o que dominava as lojas eram cremes para reduzir o volume ou alisar os fios, hoje o que se encontra nas prateleiras são shampoos, condicionadores, leave-in, day after e óleos para cabelos cacheados e crespos.

“Depois que aprendi a cuidar do meu próprio cabelo, comecei a fazer cursos específicos sobre o assunto e abri meu próprio salão de beleza especializado em cabelos naturais, algo inédito na minha região naquele momento. A procura foi tanta, que após cinco anos de operação transformamos o negócio em franquia e nos tornamos a primeira franquia especializada em cabelos com texturas naturais do Brasil”, disse Kátia Teófilo, fundadora e proprietária do Império dos Cachos.

O trabalho remoto e o fechamento temporário de salões de beleza nos últimos dois anos foram um incentivo ainda maior para a população deixar o alisamento de lado e assumir os cachos.

De acordo com dados da Mintel, antes da pandemia do coronavírus, 35% dos brasileiros declararam que se sentiam motivados a comprar produtos com ingredientes com ação relaxante para os cabelos. Mas, desde que o país entrou em quarentena, 49% disseram que passaram a adotar um estilo mais natural.

“É gratificante ver as pessoas se aceitando do jeito que são. Muitas clientes faziam alisamento ou escova diariamente apenas porque não conheciam o potencial dos seus cabelos, não sabiam cuidar, achavam ele feio. Estamos vivendo um novo momento em que tanto as pessoas como o mercado estão mudando. As pessoas querem se assumir do jeito que são e agora temos tanto produtos como serviços disponíveis nas lojas para isso”, concluiu Kátia.

Website: http://www.imperiodoscachos.com.br

Deixe o seu comentário